quarta-feira, 22 de abril de 2015

Medidas de Controle do Risco Elétrico

Sinalização:
Placas informativas de nivel de tensão, etiquetas de impedimento de reenergização, cones, fitas zebradas
Tensão de segurança:
Em casos de impossibilidade de desenergização, a tensão de segurança (extrabaixa tensão: 50 V CA) deverá ser usada. Ferramentas elétricas de 24 V
Isolamento das partes vivas:
ISOLAMENTO ELÉTRICO – Processo destinado a impedir a passagem de corrente elétrica por interposição de materiais isolantes, como por exemplo o isolamento de fios elétricos.
Barreira:
Dispositivo que impede todo e qualquer contato com partes energizadas das instalações elétricas, como cercas metálicas, armários, painéis elétricos.
Obstáculos e anteparos:
Destinado a impedir todo e qualquer contato com partes internas.
Isolação dupla ou reforçada:
Muito utilizada em ferramentas elétricas manuais (furadeiras, serras)
Propicia um maior grau de segurança à separação entre suas partes energizadas e suas partes metálicas.
Colocação fora de alcance:
Impede os contatos fortuitos com as partes vivas
Separação elétrica:
A separação elétrica deve ser individual.
O circuito elétrico separado alimenta um único equipamento/tomada.
Aterramento:
Escoar para a Terra as cargas elétricas indesejáveis
Podem ser decorrentes de falta fase-massa, indução eletromagnética, eletricidade estática e descargas atmosféricas.
Deve possuir baixa resistência.
Eqüipotencialização:
Evita que haja uma diferença de potencial entre partes metálicas de uma estrutura que não pertencem ao circuito elétrico.
Dispositivo DR:
Princípio de funcionamento:
Detectar correntes de fuga do circuito elétrico;
Atuar, interrompendo o circuito, dentro de parâmetros predefinidos;

Postar um comentário