segunda-feira, 15 de junho de 2009

VIDROS QUEBRADOS

É impossível eliminar todos os riscos à nossa volta.
O melhor que podemos fazer é eliminar alguns e minimizar outros.
Uma pessoa que tenha que dirigir em estradas escorregadias em dias chuvosos, não pode eliminar os riscos devidos à tração deficiente ou má visibilidade, mas pode minimizá-los.
Em primeiro lugar, não usará pneus lisos ou colocará correntes.
Ela verificará os limpadores de pára-brisa e outros acessórios quanto à boa condição de operação.
Quando chegar à estrada, ela manterá uma velocidade mais baixa, ou quase parando, se necessário.
Ela abaixará as janelas com freqüência para diminuir o embaçamento dos vidros.
Ela ficará a uma distância maior de outros veículos.
No geral, o que ela faz é intensificar suas táticas de direção defensiva, esperando pelo pior, mas dando o melhor de si para evitar um acidente.
O que tudo isto tem a ver com a preparação de áreas seguras de trabalho?
Tem tudo a ver. É exatamente isto o que é a proteção de áreas de trabalho – eliminação ou minimização dos riscos.
Na verdade, o programa inteiro de prevenção de acidentes é apenas isto.
Eis aqui um outro exemplo comum.
Uma escada numa loja de dois andares é essencial, por razões óbvias.
Porém, ela é também altamente perigosa.
Muitas pessoas são feridas todos os anos em quedas de escadas.
Naturalmente, a escada não pode ser eliminada, mas seus riscos podem ser minimizados. Podemos instalar carpetes e revestimentos para evitar escorregões em pisos encerados ou
polidos, colocar corrimão e iluminação apropriada.
Além disto, devemos treinar as crianças para usar escadas com segurança,
subir e descer um degrau de cada vez, usar o corrimão e não correr.
Agora a escada pode ser usada com segurança relativa.
Suas condições de risco foram minimizadas e o treinamento apropriado das crianças deve eliminar os atos inseguros.
Vejamos como estes princípios se aplicam ao nosso trabalho.
Suponha que temos um projeto que exija de nós reparos em instalações subterrâneas num cruzamento movimentado.
A quebra do asfalto e a abertura de um buraco certamente apresentam muitos riscos que não podem ser eliminados.
Mesmo que seja um trabalho de emergência, ele deve ser planejado e avaliado antes de ser iniciado.
Todos os membros da equipe de trabalho são responsáveis pela identificação e
análise dos riscos da tarefa.
O público e as propriedades públicas, assim como os membros da equipe e equipamentos,
devem ser protegidos ao máximo possível.
Como nosso trabalho irá interferir no tráfego de veículos e pedestres, temos de iniciar definindo a área de trabalho.
Os motoristas devem ser alertados ao máximo e antecipadamente de que há um trabalho sendo executado à frente.
Como não podemos eliminar os riscos do tráfego, o melhor que podemos fazer é torná-lo mais lento.
Reduzir a velocidade do movimento contínuo dos veículos não apenas permite a continuidade
do trabalho e melhora a segurança, como também contribui para boas relações públicas.
Sinais de alerta, lanternas, bandeiras mostradas em vários níveis (mas sem obstruir a visibilidade dos motoristas) e cones ajudam a minimizar os riscos de tráfego.
Um ou mais sinaleiros gentis usando sinais facilmente compreensíveis podem
conduzir o tráfego com segurança, em volta e através da área de trabalho.
O movimento seguro do tráfego não é nosso único problema neste cruzamento movimentado.
Os pedestres também devem ser considerados.
Proteções devem ser colocadas ao longo da área de trabalho.
Devem ser colocadas passarelas temporárias em trincheiras abertas, para permitir o movimento
de pedestres através da área, de forma segura.
Após estabelecermos um padrão para um fluxo seguro de tráfego, termos dado proteção aos pedestres e colocado barricadas adequadas em nossa área de trabalho, ainda assim teremos de lidar com os riscos envolvidos na quebra do pavimento, escavação do buraco e na execução dos reparos.
Muitos riscos com os quais nos defrontamos podem ser eliminados; outros podem ser minimizados.
A utilização de equipamento de proteção, como luvas, óculos, protetores faciais, respiradores e máscaras, praticamente eliminarão o perigo de poeira, gás, vapores, pedras arremessadas e concreto.
A utilização de proteção para os dedos dos pés, sapatos e botas de segurança, capacetes,
reduzirão mais ainda a possibilidade de ferimentos.
Porém, todo o aparato de proteção do mundo não impedirá atos inseguros.
Cada um de nós é responsável por seu próprio desempenho em segurança do trabalho.

Um bom desempenho em segurança inclui o seguinte:

  1. a manutenção de uma barreira a uma distância segura da borda da trincheira,
  2. verificação se ferramentas ou rochas podem rolar para dentro do buraco,
  3. termos cuidado para não trabalhar muito perto uns dos outros e nunca fumar em áreas de risco.
Postar um comentário