quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Coronelismo


Um caso muito preocupante.
Pessoas acreditam ser mais importantes que a vida das pessoas.
... " aconeceu assim, dois funcionários de empresa de transmissão de energia, já acostumados a fazer manutenção nas linhas de transmissão em dupla há muitos anos. Por orientação da empresa, deveriam fazer essa manutenção desenergizados, e além de seccionar a linha, antes de subir nas torres, deveriam aterrá-las, porém, sabendo que estavam sozinhos naquele lugar tão distante de tudo e de todos, nunca fizeram o procedimento de aterramento. Um certo dia, durante mais uma manutenção, um deles decidiu que deveriam aterrar, pois estava com desconfiado, por algum motivo, isso foi motivo de muito riso do colega que disse: ..."você está ficando mole, onde ja se viu, que há tantos anos eles faziam aquilo e nunca precisaram aterrar nada, bla bla bla...", mas o colega justificou que quem subiria na torre ia ser ele e que ia aterrar sim, pois estava com medo não sabia ainda do que mas estava.... Procedimento de aterramento feito, subiu, o colega ficou em baixo passando ferramentas, e dando o devido suporte a ele. Terminado o trabalho, foram retirar o aterramento, e para espanto dos dois, o cabo estava todo derretido... entreolharam-se, e surgiu a dúvida seguida da exclamação ..."Poxa vida, você religou a linha só para me assustar, isso não se faz, onde já se viu, você sabe o quanto isso é perigoso, bla bla bla"..., porém o colega que havia ficado no chão estava tão assustado quanto o outro, e respondeu que realmente ele sabia dos riscos e que não havia a mínima possibilidade de ele ter ido 10km a pé religar o circuito, sem que o outro não percebesse sua falta, pois estava o tempo todo repassando material para ele.
Recolheram o material e voltaram para a cidade a fim de relatar para a chefia o que havia acontecido, ao chegar na chave realmente ela estava religada, mais estranho ainda, pois tinham certeza absoluta que haviam passado por ali e desligado o circuito.
Pararam um um barzinho na cidade para tomar água, e como todo bom bar, ali tudo se vê, tudo se sabe e tudo se comenta, papo vai papo vem descobriram o que havia acontecido...
Um coronel da cidade, havia (como muitas outras pessoas), ficado sem luz em sua fazenda, e ele se achando mais importante que os demais, ordenou que um capataz fosse até a chave e religasse a rede, afinal ele era o coronel e não poderia ficar sem luz. Foi assim cumprida a ordem, com um longo pedaço de bambu, o inocente rapaz religou o circuito, que por sorte estava aterrado.
Ao relatar isso a chefia, foram a delegacia e abriram uma denuncia de tentativa de duplo assassinato, que virou um processo contra o coronel, que disse na frente do juiz, que naquela cidade quem mandava era ele e que quantas vezes desligassem quantas vezes ele mandaria religar."...
Vejam vocês o perigo de não seguir os procedmentos, eles poderiam ter morrido se fossem na conversa do funcionário que insistia em dizer ..."há tantos anos trabalhamos aqui sem aterramento, pra que isso agora"...
E a inocencia do capataz que com um bambu (material que acumula água com muita facilidade), religou o circuito sem proteção alguma correndo o risco de gerar uma abertura de arco em cima dele.
palavras do capataz quando questionado sobre porque religou o circuito ..."se não faço o que o coronel manda, ele me manda embora, e como é dono da maioria do comercio da cidade, nunca mais arrumo emprego por estas bandas, tenho filho pra criar, não posso perder o emprgo"...
Engraçado ele se preocupa com o filho, mas não avaliou o tamanho do perigo que esteve exposto ao religar aquela chave, naquele momento o filho dele poderia ter ficado sem pai, e quem é que ia criar aquela criança?
Esse tipo de mentalidade de coronelismo, infelizmente ainda existe país a fora e o que mais me impressiona, é que muitas vezes isso está dentro das empresas, só mudando do título de coronel para encarregado. Esse tipo de profissional tem que acabar, isso não é atitude que se tenha, em relação a vida das pessoas.
Postar um comentário